Notícias » Brasil

 

Últimas notícias

  • Peste bubônica: o que se sabe sobre caso suspeito no Rio e por que doença assusta tanto

    Continuar lendo
  • Bolsonaro e ex-deputados já podem se aposentar com R$ 33 mil

    Continuar lendo
  • Mulher morre e 2 ficam feridos em colisão com motorista suspeito de embriaguez em Brodowski

    Continuar lendo
  • Dois morrem afogados no Rio Tietê

    Continuar lendo
  • Mulher e adolescente de 13 anos morrem em capotamento em Cafelândia

    Continuar lendo
  • Mãe e filha morrem atingidas por raio enquanto colhiam frutas em SP

    Continuar lendo
  • Hyundai Elevate é o conceito futurista de carro com pernas

    Continuar lendo
  • Policiais militares salvam bebê de 3 meses engasgada em Matão

    Continuar lendo
  • Mulher cai em golpe e perde mais de R$ 2 mil em Araraquara

    Continuar lendo
  • Corpo de homem de 26 anos é encontrado em represa da região

    Continuar lendo

Falta de qualificação expõe trabalhador rural ao desemprego com fim da queima da cana em SP

sewb

Sebastião Antônio dos Santos, trabalhador rural de Guariba (SP) (Fotos: Reprodução/EPTV)

De Chapada do Norte (MG), Sebastião Antônio dos Santos chegou à região de Ribeirão Preto nos anos 1980 em busca de oportunidade no corte da cana-de-açúcar e, por muito tempo, foi assim que ele sustentou sua família. Mas, quase 40 anos depois, achar emprego na lavoura não tem sido mais tão fácil.

 


"O emprego é menos, você tem que arranjar. De primeiro você saía de um lugar e entrava em outro rapidinho, hoje não pode. Se você sair você fica sem trabalhar", diz o morador de Guariba (SP).

 c2

A história do trabalhador rural expõe um lado dramático da modernização do campo e do fim da queima da cana a partir de janeiro em São Paulo, maior estado produtor do país. As tecnologias e as novas regulamentações melhoram a eficácia do plantio e reduzem os impactos ambientais, mas a falta de qualificação profissional deu margem para um problema social: os empregados demitidos do campo que não conseguiram migrar para outros setores acabaram desempregados.

"A tecnologia vai avançando e vai desempregando. Infelizmente a terra, num futuro próximo, não vai ter mais a função de empregar as pessoas, porque a mecanização não vai precisar tanto do ser humano pra ser operada. Infelizmente estamos passando por esse momento e a tendência é piorar a situação", afirma o presidente do Sindicato dos Empregados Rurais de Guariba, Wilson Rodrigues da Silva.

O município de 35,4 mil habitantes na região de Ribeirão Preto (SP), de acordo com ele, já chegou a atrair 9,5 mil pessoas para o corte da cana na safra. Hoje os empregados não passam de 150. " É pouca gente na cana, quase não tem ninguém, cada vez está ficando pior", diz o trabalhador rural José João Macedo, que após 35 anos de lavoura conta com a aposentadoria antes de enfrentar o drama do desemprego.

Fim da queima da cana
De acordo com o protocolo agroambiental firmado entre usinas e secretarias estaduais de Meio Ambiente Agricultura, a queima da plana da cana está proibida nas áreas planas de São Paulo desde a safra 2014/2015. Para os demais tipos de terreno, com inclinações, esse prazo acaba no início de 2018.

Em termos ambientais, a medida representou um avanço no período de adequação, com uma redução de 65 milhões de toneladas de poluentes emitidos, além de uma ampliação da produtividade. A mecanização representa uma colheita média de 40 toneladas de cana por hora em São Paulo, o equivalente ao trabalho de dez homens.

Segundo a União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica), durante a fase de adequação foram registradas 400 mil requalificações nos setores agrícola e industrial, além das normas reguladoras. Mas quem não conseguiu se instruir ou migrar para outros setores, como a indústria e a construção civil, hoje já não encontra trabalho no campo.

"O nosso pessoal que vinha de fora, por exemplo, não tinha condição nem de fazer um curso. Infelizmente muitos poucos foram. A mecanização não iria suprir a mão de obra", afirma o presidente do sindicato em Guariba.

Em contrapartida, quem conseguiu se preparar e estudar hoje confirma uma melhora de ganho salarial e das condições de trabalho. Hoje operador de máquina em uma usina da região de Ribeirão Preto, Cléber Gustavo Pavão não sente saudade do tempo em que fazia a colheita manual. "Não é bom não, bom é evoluir, pra frente, melhorar as coisas", afirma.Segundo a União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica), durante a fase de adequação foram registradas 400 mil requalificações nos setores agrícola e industrial, além das normas reguladoras. Mas quem não conseguiu se instruir ou migrar para outros setores, como a indústria e a construção civil, hoje já não encontra trabalho no campo.

"O nosso pessoal que vinha de fora, por exemplo, não tinha condição nem de fazer um curso. Infelizmente muitos poucos foram. A mecanização não iria suprir a mão de obra", afirma o presidente do sindicato em Guariba.

Em contrapartida, quem conseguiu se preparar e estudar hoje confirma uma melhora de ganho salarial e das condições de trabalho. Hoje operador de máquina em uma usina da região de Ribeirão Preto, Cléber Gustavo Pavão não sente saudade do tempo em que fazia a colheita manual. "Não é bom não, bom é evoluir, pra frente, melhorar as coisas", afirma.

c1

 

Do G1

© ....:: RÁDIO FM 104 ITÁPOLIS ::.... É só sucesso!!!
BRLOGIC