Notícias » Notícias Policias

 

Últimas notícias

  • Peste bubônica: o que se sabe sobre caso suspeito no Rio e por que doença assusta tanto

    Continuar lendo
  • Bolsonaro e ex-deputados já podem se aposentar com R$ 33 mil

    Continuar lendo
  • Mulher morre e 2 ficam feridos em colisão com motorista suspeito de embriaguez em Brodowski

    Continuar lendo
  • Dois morrem afogados no Rio Tietê

    Continuar lendo
  • Mulher e adolescente de 13 anos morrem em capotamento em Cafelândia

    Continuar lendo
  • Mãe e filha morrem atingidas por raio enquanto colhiam frutas em SP

    Continuar lendo
  • Hyundai Elevate é o conceito futurista de carro com pernas

    Continuar lendo
  • Policiais militares salvam bebê de 3 meses engasgada em Matão

    Continuar lendo
  • Mulher cai em golpe e perde mais de R$ 2 mil em Araraquara

    Continuar lendo
  • Corpo de homem de 26 anos é encontrado em represa da região

    Continuar lendo

MP pede interdição de escola de Ribeirão Preto por grave risco de incêndio

ribeirao

Alegando "necessidade urgente" de reforma nas instalações elétricas, "grande potencial para acidentes e risco de incêndio", "grave risco à integridade física da edificação e de seus ocupantes" e resposta "absurda e irresponsável" da Prefeitura de Ribeirão Preto, o Ministério Público pediu na Justiça a imediata interdição da escola municipal Domingos Angerami, no complexo Ribeirão Verde.

A ação civil pública foi movida na última sexta-feira pelo promotor de Justiça Naul Felca, responsável pelo Grupo de Atuação Especial em Educação do MP (Geduc), e tramita na Vara da Infância e Juventude.

Ao A Cidade, Naul afirmou que o objetivo é impedir um desastre "com consequências irreparáveis", lembrando o Museu Nacional do Rio de Janeiro, que foi consumido pelas chamas no último domingo.

Relatório de 44 páginas elaborado em junho por órgão técnico do MP concluiu que a escola "apresenta uma série de problemas que inviabilizam a continuidade do funcionamento na edificação existente".

Atualmente, cerca de 400 alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental estudam na unidade, que foi fundada em 1940 como escola rural, e ao longo dos anos foi ganhando "puxadinhos" para atender à expansão do Ribeirão Verde.

Fotos anexadas pelo MP apontam desde vazamentos e umidade a "fios bagunçados, conduzidos fora dos eletrodutos e com ligações através de remendos em fita isolante, com situação propícia para a ocorrência de curtos-circuitos que podem ocasionar incêndios".

A Cidade foi ontem à unidade, mas não foi autorizado pela Secretaria de Educação a entrar e vistoriar a estrutura física. 
Questionada pela reportagem por meio da assessoria de imprensa se garantia a segurança dos alunos, a pasta optou pelo silêncio.

Pedidos

Na ação, Naul pede a interdição provisória imediata da escola e transferência dos alunos para outras unidades (públicas ou particulares) com transporte escolar gratuito para reformas emergenciais.

Ele também quer que a prefeitura seja obrigada, a, no máximo em dois anos, construir uma nova escola.

Naul afirmou à reportagem que, mediante a "posição descompromissada" da prefeitura, vai "intensificar a fiscalização", realizando um pente-fino em todas as unidades escolares, seguindo "critérios rigorosos". Relatório do MP elencou fotos com a descrição dos seguintes problemas: 1 - "Quadro de disjuntores com fiação exposta na sala dos professores";

2 - "Instalação elétrica sobre o forro acima da sala da diretoria. Fios se encontram bagunçados, conduzidos fora dos eletrodutos e com ligações através de remendos em fita isolante." Tal situação é propicia para a ocorrência de curtos-circuitos; 3 - "Fiação energizada exposta, podendo ocasionar acidentes" na sala dos professores; 4 - Local onde havia uma condensadora de ar condicionado retirado para manutenção apresenta "cabos emendados com fita isolante expostos"; 5 - Foto do banheiro dos alunos, com chuveiro "com instalação elétrica improvisada"; 6 - Abrigos de gás adjacentes à edificação da escola, "em não conformidade" com as normas vigentes.
Indiferença que me indignou, diz promotor

Antes de ingressar com a ação, o promotor Naul Felca encaminhou cópia do relatório feito pelo setor técnico do MP para a Secretaria de Educação, pedindo a "adoção imediata de medidas que reduzam os riscos assinalados".

Por ofício, o poder público apenas disse que "está providenciando e seguindo as normas vigentes para adequação e melhoria nas instalações elétricas e hidráulicas" e que "busca recursos junto ao Governo Federal para a construção de uma outra unidade escolar". O documento, assinado pela secretária de Educação, Luciana Rodrigues, não informa cronograma ou estimativa de prazos para resolver o problema. "Eles foram notificados da gravidade, mas trataram com uma indiferença que me indignou enquanto Promotor de Justiça", afirma Naul. Associação fez a denúncia ao MP

A fiscalização do MP partiu de uma denúncia que a Associação dos Moradores do Ribeirão Verde protocolou em maio na promotoria, afirmando que o prédio da Domingos Angerami "não tem a mínima condição de ser escola". Ao A Cidade, o presidente da associação, Luiz França, afirmou que desde 2005, na gestão Welson Gasparini (PSDB), os moradores pedem a construção de nova unidade.

"Foram fazendo puxadinhos de forma precária ao longo dos anos. Agora chegou no limite. Percebemos que a qualquer momento pode acontecer uma tragédia devido à inadequação da parte elétrica", diz França. Segundo ele, a maioria dos pais de alunos "não tem ciência do estado precário do prédio".

Moradores surpresos

"Existe realmente o risco de incêndio". Quem atesta é o eletricista Wildson Silva Almeida, 32 anos, pai de uma aluna de 6 anos que estuda na escola.

Ele integra a APM (Associação de Pais e Mestres) da Domingos Angerami e diz que em julho foram feitas pequenas reformas na unidade. A adequação da rede elétrica, porém, necessitaria de mais recursos municipais.

"O ensino é ótimo. Vejo a dedicação dos professores. Mas a estrutura física precisa melhorar", diz.

A caixa Josimara Fagundes, 31 anos, se surpreendeu ao ver as fotos do relatório do MP mostradas pela reportagem. "Não sabia que estava neste estado", atestou. Ela tem uma filha de 6 anos que estuda na escola. Rafaela Cristina, 28 anos, também mostrou preocupação ao ver o relatório do MP. Ela diz que nunca havia entrado no interior da escola, mas agora vai verificar a situação. Prefeitura não responde a questionamentos

A Cidade fez ontem sete questionamentos à Secretaria de Educação, mas foi enviada resposta de duas linhas, afirmando apenas que "não tem conhecimento do teor da ação, pois ainda não foi notificada".

Foi questionado se a administração tem ciência de o relatório do MP apontar risco de incêndio, quais medidas adotou nos últimos dois anos para adequar a escola, se há garantia da integridade física dos alunos e funcionários, o que achava do MP apontar que teve atitude "absurda e irresponsável", se há possibilidade operacional de transferir alunos para outras escolas e quantas unidades da rede municipal possuem AVCB. (CidadeOn)

© ....:: RÁDIO FM 104 ITÁPOLIS ::.... É só sucesso!!!
BRLOGIC