Notícias » Mundo

 

Últimas notícias

  • Carreta com 30 toneladas de lixo pega fogo em Marília

    Continuar lendo
  • USP começa aulas e cria aplicativo contra trotes violentos

    Continuar lendo
  • Touro escapa de arena e provoca correria em rodeio de Lins

    Continuar lendo
  • Acidente entre três caminhões deixa motorista morto na Rodovia Rachid Rayes

    Continuar lendo
  • Produtores rurais de Itápolis apostam em estufas para otimizar safra

    Continuar lendo
  • PM morre baleado com tiro de fuzil em perseguição a suspeitos em Dois Córregos

    Continuar lendo
  • Encapuzados rendem família e assaltam casa no Jardim Itauera

    Continuar lendo
  • Homem é morto a tiros em suposto acerto de contas em Ribeirão Preto

    Continuar lendo
  • 'Juramento representa minoria', diz aluna de medicina sobre trote de teor machista em Franca

    Continuar lendo
  • Com alta demanda, produção de etanol hidratado sobe 43,3% no Centro-Sul, aponta Unica

    Continuar lendo

Trabalhadores chineses ganham US$ 0,01 por cada boneca da Disney produzida por eles

boneca

A boneca da Princesa Ariel Sing & Sparkle custa, nos Estados Unidos, cerca de US$ 35

Quem vai ao “mundo encantado da Disney” nem imagina que, para os chineses que fabricam os brinquedos da marca, o encanto passa longe, e um pagamento e condições de trabalho dignos, também. Eles recebem pouco mais de um centavo de dólar por item produzido.

Os trabalhadores chineses que fabricam a boneca da Princesa Ariel Sing & Sparkle, que nos Estados Unidos custa cerca de US$ 35, recebem apenas US$ 0,0125 por brinquedo produzido, revelou uma investigação do grupo de defesa de direitos Solidar Suisse e do China Labor Watch em parceria com o jornal "The Guardian".

175 HORAS EXTRAS POR MÊS

Além da remuneração baixa, a investigação encontrou evidências também de horas extras excessivas e ilegais e trabalho sem férias ou licença médica remunerada para quem trabalha fabricando brinquedos e produtos para a Disney e outras empresas internacionais, como a Fisher Price, que pertence à Mattel.

Trabalhadores contaram que eram multados ou até mesmo demitidos, caso se ausentassem mais de três dias do trabalho por motivos de saúde.

Funcionários da fábrica de contaram ter feito 175 horas extras em um mês, período em que tiveram apenas um dia de folga, afirma o "The Guardian". Isso desrespeita a lei trabalhista chinesa e também os códigos de conduta da indústria de brinquedos. (Extra)

© ....:: RÁDIO FM 104 ITÁPOLIS ::.... É só sucesso!!!
BRLOGIC