Notícias » Mundo

 

Últimas notícias

  • Câmara de Itápolis abre CPI para averiguar possível quebra de decoro do vereador Marcelo Martins

    Continuar lendo
  • Cobra de quase cinco metros é achada morta na prainha de Borborema

    Continuar lendo
  • Frentista é morto durante assalto em Ribeirão Preto

    Continuar lendo
  • Cientista de Franca que superou infância pobre e preconceito terá história contada nos cinemas

    Continuar lendo
  • Corinthians iguala o Santos e se torna o maior campeão paulista do século

    Continuar lendo
  • Homem é atingido por tiro durante comemoração de título do Corinthians em Bariri

    Continuar lendo
  • Jovem morre após atropelar égua em rodovia de Borborema

    Continuar lendo
  • Acidente faz duas vítimas fatais em Itápolis

    Continuar lendo
  • Funcionários da JBS ficam feridos em acidente com ácido na fábrica de Lins

    Continuar lendo
  • Bauru registra mais de 12 mil casos de dengue e lidera ranking nacional, aponta Ministério da Saúde

    Continuar lendo

Trabalhadores chineses ganham US$ 0,01 por cada boneca da Disney produzida por eles

boneca

A boneca da Princesa Ariel Sing & Sparkle custa, nos Estados Unidos, cerca de US$ 35

Quem vai ao “mundo encantado da Disney” nem imagina que, para os chineses que fabricam os brinquedos da marca, o encanto passa longe, e um pagamento e condições de trabalho dignos, também. Eles recebem pouco mais de um centavo de dólar por item produzido.

Os trabalhadores chineses que fabricam a boneca da Princesa Ariel Sing & Sparkle, que nos Estados Unidos custa cerca de US$ 35, recebem apenas US$ 0,0125 por brinquedo produzido, revelou uma investigação do grupo de defesa de direitos Solidar Suisse e do China Labor Watch em parceria com o jornal "The Guardian".

175 HORAS EXTRAS POR MÊS

Além da remuneração baixa, a investigação encontrou evidências também de horas extras excessivas e ilegais e trabalho sem férias ou licença médica remunerada para quem trabalha fabricando brinquedos e produtos para a Disney e outras empresas internacionais, como a Fisher Price, que pertence à Mattel.

Trabalhadores contaram que eram multados ou até mesmo demitidos, caso se ausentassem mais de três dias do trabalho por motivos de saúde.

Funcionários da fábrica de contaram ter feito 175 horas extras em um mês, período em que tiveram apenas um dia de folga, afirma o "The Guardian". Isso desrespeita a lei trabalhista chinesa e também os códigos de conduta da indústria de brinquedos. (Extra)

© ....:: RÁDIO FM 104 ITÁPOLIS ::.... É só sucesso!!!
BRLOGIC