Governo de SP autoriza reabertura de escolas para atividades de reforço a partir desta terça-feira
08/09/2020 12:08 em Ciência e Saúde

 

As escolas públicas e privadas do estado de São Paulo podem reabrir a partir desta terça-feira (8) para aulas de reforço escolar, tutoria e atividades esportivas em regiões que estejam na fase amarela do plano de flexibilização econômica há, pelo menos, 28 dias. Já a retomada das aulas presenciais está prevista para o dia 7 de outubro em todo o estado.

Apesar da autorização do governo do estado, cada prefeitura possui autonomia de decidir se as escolas vão reabrir, ou não, em suas cidades.

Segundo o último levantamento da Secretaria Estadual de Educação, apenas 128 dos 645 municípios de SP devem reabrir para as atividades de reforço nesta terça. Já as 39 cidades da região metropolitana, que inclui a capital paulista, não devem reabrir as escolas na data autorizada pelo governo do estado.

De acordo com o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, as aulas devem começar a voltar lentamente no estado.

No entanto, ele ressaltou que caso as aulas presenciais voltem em 7 de outubro, a decisão de retorno será opcional aos pais, alunos e demais instituições de ensino.

“Acho que a gente tem que começar a voltar lentamente. A gente tem ainda a decisão sobre outubro, nós temos a previsão de volta às aulas para o dia 7 de outubro, ainda temos que cumprir algumas condicionalidades do mês de setembro, não temos ainda nem a certeza a volta às aulas em outubro, estou falando de atividades curriculares que, se voltar, não serão obrigatórias aos alunos na primeira etapa estarem presencialmente”, afirmou na manhã desta terça (8) em entrevista ao Bom Dia SP.

Para que as aulas presenciais retornem em outubro, todo o estado de São Paulo deve estar no amarelo em setembro. “Nós temos que ter certeza que será o momento adequado. Se não for, a prioridade é salvar vidas”, disse Rossieli.

Segundo a Secretaria da Educação, ainda que os prefeitos autorizem a reabertura das escolas para aulas de reforço, cada instituição de ensino possui autonomia para ver suas demandas e necessidades específicas e assim optar por reabrir, ou não, sempre dialogando com a comunidade escolar.

Só poderão participar do reforço os alunos que tiverem autorização dos pais. Estudantes e profissionais do grupo de risco permanecem, obrigatoriamente, em atividades remotas.

Rossieli Soares defendeu que o retorno das atividades de reforço irá proporcionar aos alunos um contato socioemocional, além do uso de laboratórios de informática, auxiliando os estudantes que não possuem computadores ou conexão com a internet em casa.

"A gente não está atrás de fazer, obrigatoriamente, que todos os municípios abram no mês de setembro. É uma atividade de reforço, é uma avaliação local, seja no aspecto da Saúde que os municípios estão olhando, ou seja também no aspecto da própria escola dialogando com a comunidade e fazendo atividades pequenas”, afirmou o secretário da Educação.

Municípios

Na cidade de São Paulo, a reabertura das escolas para atividades de reforço foi proibida pelo prefeito Bruno Covas (PSDB).

Em entrevista à GloboNews na manhã desta terça-feira (8), o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano, disse que prefeitura ainda estuda qual o melhor momento para a reabertura das escolas na capital.

"Nós trabalhamos com a data de 7 de outubro. A Prefeitura de São Paulo vai entender como seguro o retorno as aulas quando tivermos uma redução expressiva do numero de casos na cidade de são paulo, uma redução expressiva do número de óbitos na cidade de São Paulo e, principalmente, uma redução muito forte da taxa de transmissão. Quando estas três informações estiverem convergindo, estiverem com uma tendência inequívoca de queda, aí sim será seguro abrir as escolas na cidade de São Paulo", afirmou Caetano.

A decisão, conforme já havia informado o prefeito Bruno Covas (PSDB), deve ser anunciada no próximo dia 15, após resultado da nova etapa do inquérito sorológico, mapeamento feito pela prefeitura para tentar identificar quantos alunos da rede pública e privada já tiveram contato com o coronavírus.

Além das escolas municipais, também foi vetado o retorno das aulas nas escolas estaduais e particulares no município com base no resultado de um inquérito sorológico realizado pela prefeitura em alunos da rede municipal. O estudo apontou que o retorno às aulas presenciais, ainda que com restrições, representa uma elevação do risco de contaminação por Covid-19 no município. Covas não descartou a possibilidade de retorno em outubro.

Regras aulas opcionais

A escolas que vão reabrir neste 8 de setembro para atividades opcionais deverão respeitar as seguintes regras:

    receber até 35% da sua capacidade para alunos da Educação Infantil e Fundamental e nos anos iniciais;
    receber até 20% da sua capacidade para alunos do Ensino Médio e anos finais.
    Manter o distanciamento de 1,5 metro entre os estudantes.
    Estabelecer horários de entradas e saídas que serão organizados para evitar aglomeração, e serão preferencialmente fora dos horários de pico do transporte público.
    Intervalos e recreios devem ser feitos sempre em revezamento de turmas com horários alternados.

    As atividades de Educação Física estão permitidas desde que se cumpra o distanciamento de 1,5 metro. Devem ser realizadas, preferencialmente, ao ar livre e cuidando da higienização dos equipamentos.
    É recomendado que o ensino remoto continue em combinação com a volta gradual presencial.
    O uso de máscara é obrigatório para todos dentro da instituição e no transporte escolar.
    A Instituição deve fornecer equipamentos de proteção individual (EPIs) para os funcionários.
    Bebedouro será proibido. Água potável deve ser fornecida de maneira individualizada. Cada um deverá ter seu copo ou caneca.
    Banheiros, lavatórios e vestiários devem ser higienizados antes da abertura, depois do fechamento e a cada três horas.
    Lixo deve ser removido no mínimo três vezes ao dia.
    Superfícies que são tocadas por muitas pessoas devem ser higienizadas a cada turno.
    Ambientes devem ser mantidos ventilados com janelas e portas abertas, evitando toque em maçanetas e fechaduras.

O distanciamento tem exceções, como no caso da educação infantil e creches, em que não há como manter essa distância entre bebês e cuidadores.

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação afirmou nesta segunda-feira (7) que adquiriu uma série de insumos destinados tanto aos estudantes quanto aos servidores para as escolas públicas da rede estadual que irão reabrir.

Entre os equipamentos adquiridos, segundo o órgão, estão 12 milhões de máscaras de tecido, 300 mil face shields (protetor facial de acrílico), 10.168 termômetros a laser, 10 mil totens de álcool em gel, 221 mil litros de sabonete líquido, 78 milhões de copos descartáveis, 112 mil litros de álcool em gel e 100 milhões de unidades de papel toalha.

O material, segundo a secretaria, visa garantir a segurança dos alunos e funcionários da rede.

G1

COMENTÁRIOS